• 92 3216-3892
  • secretaria@cide.org.br

Category ArchiveNotícias CIDE

Empresas divulgam produtos em feira de gastronomia

As empresas do setor Alimentação e Bebidas, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), estiveram três dias promovendo seus produtos e sua marca aos visitantes, empresários e interessados em gastronomia regional, na Feira Internacional de Gastronomia (FIGA 2021), no Centro de Convenções Vasco Vasques, na zona Centro-Sul de Manaus, no mês de outubro.

Para o proprietário da empresa Terramazônia, Emerson Lima, o evento contribuiu à divulgação dos produtos locais. “Para mim, a feira foi uma ótima oportunidade para divulgar meus produtos feitos com matéria-prima regional, para dialogar com possíveis clientes e fortalecer minha marca no mercado”, disse o empreendedor.

Nos três dias de feira, as empresas instaladas no CIDE, expuseram alimentos e bebidas regionais, considerados inovadores e práticos, e que atendem às necessidades dos consumidores e dos mais exigentes na hora de procurar um alimento de qualidade e com credibilidade.

A Figa 2021 foi realizado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-Amazonas) e teve o intuito de promover o turismo gastronômico, e a integração entre os participantes com a culinária do Amazonas e da Amazônia, retomando as ações presenciais. O evento contou com a participação de chefs renomados, além de estandes voltados à gastronomia local.

O empresário Emerson Lima expõe seus produtos na FIGA 2021.
Muitas visitantes fizeram degustação nos estandes
Empresário conversa com visitantes da feira, para divulgar produtos.
Sócios da Biozer Amazônia e comitiva na sala de reunião do CIDE.

Biozer da Amazônia apresenta trabalhos sustentáveis à comitiva

Os empreendedores da Biozer da Amazônia, indústria de cosméticos e medicamentos fitoterápicos, instalada no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), apresentaram no mês de julho, a uma comitiva de representantes do Governo Federal, os trabalhos sustentáveis desenvolvidos por eles na hora de captar matéria-prima amazônica para o processo de fabricação dos cosméticos naturais e de base florestal amazônica.

A comitiva estava formada por representantes do Ministério da Economia, Ministério de Ciência e Tecnologia e da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Conselho de Administração da Suframa – CAS Suframa). “O trabalho da Biozer vai além do produto comercializado, trabalhamos com as comunidades ribeirinhas, desenvolvendo boas práticas de fabricação e conseguindo a certificação dos produtos dessas comunidades, respeitando a natureza e as populações da floresta”, diz o sócio da empresa, Domingos Amaral Neto, citando como parceiros o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam).

Ainda segundo Amaral, os trabalhos desenvolvidos permitem que haja mais qualidade nos processos. “Não temos interesse em esgotar a matéria-prima das comunidades, queremos também ajudá-las a certificar seus produtos por meio de análises, laudos feitos por nós para que elas possam comercializar os seus produtos com outros clientes”, explica.

Para os sócios Danniel Pinheiro e Amaral Neto, a reunião com a comitiva serviu também para expor o que a empresa está desenvolvendo e manifestar as dificuldades que ainda sofrem as empresas do setor. “Tivemos nesta reunião a oportunidade de aproximar à comitiva todo o processo ou cadeia da bioeconomia. Dessa forma, poderemos contar com o apoio das instituições governamentais em nossos trabalhos”, finalizou Amaral.

Produto comercializado pela empresa

Pandemia faz empresa expandir no mercado digital

A inovação e a reinvenção fazem parte do mundo empresarial.

Atualmente, a pandemia do coronavírus impulsionou uma série de reinvenções nas empresas instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), afetando o cotidiano dos funcionários e do próprio empreendedor.

Uma dessas empresas é a Terramazônia, empreendimento de produtos naturais e suplementos naturais, que teve que fortalecer suas vendas no mercado digital, adequando-se à “nova normalidade”.

Segundo um dos sócios, Emerson Lima, antes da pandemia havia um plano de expandir  lojas físicas em outras capitais, mas com a chegada do “novo vírus” a empresa teve que repensar sua estratégia de expansão para atender os antigos e novos clientes, e continuar ativa no mercado de produtos naturais.

“Expandir fisicamente teria um custo muito alto, com representantes, estoques, distribuidores, etc. Paralelamente a isso, percebemos um aumento das vendas on-line e que poderíamos trabalhar aí neste mercado digital com um custo mais baixo e de forma eficiente”, diz Emerson, acrescentando que os seus produtos também podem ser adquiridos em lojas de produtos naturais, e sites de vendas, como Mercado Livre e Americanas.

Neste momento, a Terramazônia está focada em consolidar sua marca e conta com o apoio do CIDE nesse novo contexto. “Nossos produtos são naturais, nos preocupamos com o meio ambiente e não podemos desistir dos nossos sonhos, você tem que insistir, fazer parcerias com pessoas certas e nunca desistir, estar atualizado, ao final você supera todas as dificuldades”, conclui Emerson.

Para saber mais da Terramazônia, você pode acessar terramz.com.br e conhecer os produtos produzidos por ela.

Tecnologia para pessoas da melhor idade

A engenheira de software e fundadora da Seniors App, Dalvanira Santos, no auditório do CBA.

A startup Seniors App, associada ao Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), apresentou no segundo e último dia de evento do “I Encontro de Empreendedorismo e Inovação da Amazônia”, realizado no passado 3 de dezembro, no Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), um aplicativo para monitorar a saúde das pessoas idosas.

Segundo a fundadora da empresa Dalvanira Santos, o software armazena dados de saúde do paciente, assim como relatórios de consultas e lista de medicamentos. “Queremos gerar confiança e bem-estar à população. Com o nosso aplicativo o familiar, o médico, a enfermeira têm uma visão detalhada do histórico do paciente, já que o aplicativo colhe informações do estado de saúde do idoso, como batimentos cardíacos, nível de glicose, etc., ajudando o profissional de saúde a tomar decisões”, explica a fundadora.

Na ocasião, Dalvanira Santos comentou sobre a importância de estar associada ao CIDE. “O momento pelo qual estamos passando, precisamos de parceiros para apoiar e divulgar nossas pesquisas e produtos. Portanto, é um grande apoiador nosso”, finalizou.

STARTUP

Segundo o site do SEBRAE, uma startup é um grupo de pessoas iniciando uma empresa, trabalhando com uma ideia diferente, escalável e em condições de extrema incerteza.

 

Dalvanira Santos desenvolveu um software dirigido às pessoas idosas.

 

A empreendedora é apoiada pelo CIDE.

 

Auditório do CBA, local de apresentação de muitas startups.

Empresas do CIDE apresentam alimentos saudáveis em evento

Chocolates, molhos, comidas regionais saudáveis foram apresentados ao consumidor.

As empresas instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) apresentaram no primeiro dia do “I Encontro de Empreendedorismo e Inovação da Amazônia”, produtos considerados saudáveis, orgânicos e inovadores às autoridades e ao público em geral que estiveram ontem, 2, no Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), para participarem do evento que mostra a importância do desenvolvimento científico e tecnológico na Amazônia.

Respeitando um protocolo de saúde, no qual todos usam máscaras e mantêm a distância, o estande do CIDE foi um dos mais frequentados, porque reunia produtos da culinária regional, mas com um toque de preocupação com a biodiversidade e a saúde pessoal do consumidor. “Este tipo de evento supera a simples divulgação de produtos desenvolvidos por empreendedores. Significa também uma oportunidade de oferecer novos hábitos alimentares, uma alimentação mais natural, saudável às pessoas por meio dos nossos produtos”, disse o empreendedor Emerson, proprietário da Terramazônia, empresa instalada na incubadora.

O evento também reservou estandes para empresas associadas ao CIDE, que tiveram seus próprios pontos de exposição dentro do CBA. “Desenvolvemos soluções para a agricultura e o agricultor, na área de fertilização do solo, chamamos de Agricultura de Precisão”, diz a representante da Business Global Agriculture, Kênia Castelo, acrescentando que o CIDE é um grande parceiro institucional.”Não estamos sozinhos”, concluiu ela.

Hoje, último dia do evento, é a vez das palestras e as exposições continuam, com entrada gratuita, para conhecer os trabalhados de 40 institutos de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICTs), startups locais e empresas instaladas em incubadoras de empresas.

Contato dos entrevistados nesta reportagem:

www.terramz.com.br

businessglobal.com.br

 

Produtos da Karú, empresa instalada no CIDE.

 

Produtos orgânicos da Warabu e da Terramazônia, empresas instaladas no CIDE.

 

Produtos da Karú e da Terramazônia.

 

Profissionais e empreendedores da Terramazônia, Karú e Warabu.

 

Empresários conversam com consumidor.

 

A empresa Karú foi uma das mais procuradas.

 

Estande do CIDE.

 

Estande da BG Agriculture, empresa associada ao CIDE.

 

 

Estande da empresa de cosméticos Biozer da Amazônia, instalada no CIDE.

 

Pular para a barra de ferramentas